Obra-prima ignorada, A

  • R$ 40,00

Calcular Frete

  • Obra-prima ignorada, A

Jovem artista visita um mestre da pintura. Um inesperado encontro com um pintor ainda mais importante coloca-o diante de sério dilema envolvendo a mulher que ama. Seu futuro na arte e na vida depende da opção que fizer. E sua ação coloca em xeque a carreira do grande artista.

Este poderia ser um comum enredo literário. <i>A obra-prima ignorada</i> tornou-se, porém, emblemática dos desejos e tormentos do artista obcecado com sua obra, em busca da perfeição, e dividido quanto ao que fazer com sua vida pessoal.

Em posfácio, um ensaio de Teixeira Coelho explora o universo de ideias e sensibilidades desta novela do criador de A comédia humana. Trazendo a discussão para o cenário da arte atual, este texto discute temas ligados à arte moderna e contemporânea e destaca o papel do Romantismo como princípio ainda ativo da estética – e da vida.

Saber se o que fez é bom e inovador ou, pelo contrário, um desastre irreparável, constitui um drama constante para os que têm na arte a razão de viver. E saber se há algo da vida, como o amor por uma pessoa, que pode ser sacrificado à arte é outro desses temas recorrentes.

A obra-prima ignorada pode ser lida como uma episódica história de amor e frustração e como metáfora das questões que envolvem o surgimento de toda arte nova.

Balzac escreveu esta novela como encomenda recebida de uma revista literária que buscava oferecer a seus leitores apenas algo que estivesse na moda. Ela se tornou, no entanto, uma das mais marcantes do gênero. Misturando personagens reais da história da arte a outros fictícios (mas em tudo verossímeis), Balzac criou uma narrativa intensa, habitada pelas forças da vida sensível tanto quanto pela especulação estética. O conflito entre o amor e a arte, entre a vida pessoal e a profissional; a escolha de uma esfera da vida a sacrificar para que uma outra se afirme e a possibilidade de ser ou não feliz em ambas ou em todas elas são temas tão centrais nesta novela como as ideias sobre arte que nela expõem seus personagens. O resultado é um texto rico e ambíguo onde cada um pode ver, quase, sua verdade pessoal – e diante do qual o próprio autor hesitou.

O impacto de <i>A obra-prima ignorada</i> foi forte e duradouro. Cézanne, precursor do cubismo e nascido depois da publicação da novela, dizia que o texto falava dele. E Picasso, que admirava esta história e a ilustrou, não menos identificado com a história ali narrada, foi instalar-se no mesmo local mencionado na novela como sendo o do ateliê nela descrito e ali pintou uma de suas maiores obras, Guernica, hoje em Madri. O cineasta francês Jacques Rivette dela extraiu em 1991 um filme marcante, La Belle Noiseuse (intitulada em português A bela intrigante).

Este volume inclui um ensaio de Teixeira Coelho preparado para esta edição e que parte da novela de Balzac para penetrar no emaranhado de ideias sobre a arte, o Romantismo e a vida, naquela época como agora, na literatura como em outros domínios.

Especificações Técnicas
Autor(a) Honoré de Balzac
Tradutor(a) Teixeira Coelho
Nº de páginas 112
ISBN 9788573213553
Largura 13cm
Altura 22,5

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.