Brinquedo Raivoso

  • R$ 48,00

Calcular Frete

  • Brinquedo Raivoso

Disponível também em versão e-book nas lojas:

Amazon | Kobo | Play Livros | Loja Apple


Pré venda | envio a partir de 17/08/2020

 

“Quem manteve Arlt vigente e o salvou do esquecimento foram os leitores. Foi lido sempre e se lê hoje e, há cinquenta anos, é um escritor atual.”

 

“Os romances de Arlt parecem alimentar-se do presente, quero dizer, de nossa atualidade. Se há um escritor profético na Argentina, esse é Arlt. Não trabalha com elementos conjunturais, e sim com as leis de funcionamento da sociedade. Arlt parte de certos núcleos básicos, como as relações entre poder e ficção, entre dinheiro e loucura, entre verdade e complô, e os converte em forma e estratégia narrativa, converte-os no fundamento da ficção.”

 Ricardo Piglia

 

Quando o jovem Roberto Arlt (1900-1942) estava escrevendo este que seria seu romance de estreia, planejou chamá-lo de A vida porca. O título provocativo deu lugar a outro mais sugestivo, quase infantil, que o tornaria célebre: O brinquedo raivoso (1926). Ambos os títulos dizem muito sobre como se pode ler este romance: o relato autobiográfico de Sílvio Astier, rememorando a própria adolescência com seus rituais de iniciação e suas escolhas, a falsificação da figurinha mais difícil do álbum, a necessidade de procurar o primeiro emprego e a formação da sociedade criminosa — que se sustenta à base de pequenos furtos e gigantescos projetos nunca realizados. Entre desejo e necessidade, Sílvio caminha com a cesta de compras para ajudar o patrão, cuja loja depois tentará incendiar: “E eu era aquele que havia sonhado em ser um bandido grande como Rocambole e um poeta genial como Baudelaire!”. Para o leitor brasileiro de hoje, o livro traz também a possibilidade de revisitar a Buenos Aires dos anos 1910, que surge em cores extravagantes, através da imaginação delirante do protagonista, alimentada pelos folhetins de aventuras, pela imagem da diva do cinema italiano Lyda Borelli e por cada promessa de aventura que parece encerrar uma nova invenção ou projeto criminoso. Essa Buenos Aires feérica faz lembrar certa São Paulo do modernismo brasileiro, aquela de linguagem oral viva — de Alcântara Machado e Oswald de Andrade —, mas já plena de uma sujeira que, em nossas letras, teria de esperar até os passeios de Roberto Piva pelo centro, nos poemas de sua Paranoia (1963). O narrador de Roberto Arlt nos mostra que entre a porcaria dessa vida e a violência do brinquedo novo e incompreensível, caberá ao jovem protagonista fazer uma escolha que, como cicatriz, carregará por toda a vida.

Wilson Alves-Bezerra

Especificações Técnicas
Autor(a) Roberto Arlt
Tradutor(a) Maria Paula Gurgel Ribeiro
Nº de páginas 160
ISBN 9788573214239
Largura 16cm
Altura 23cm

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.