Oresteia II - Coéforas

  • Autor: Ésquilo
  • Disponibilidade: Em Estoque
  • R$ 49,00

Calcular Frete

  • Oresteia II - Coéforas

Adquira a versão em e-book:

Amazon 

Coéforas: “portadoras de libações funerárias”.

Que têm em comum a vida e a morte, os vivos e os mortos, que os une de modo inextricável? A unidade que os une é similar à inesperada e espantosa unidade que se observa entre ser e não-ser, unidade que no Sofista de Platão se impõe como condição necessária à captura conceitual do sofista.

Similar não é idêntico. Idêntico é o mesmo, em qualquer sentido; similar é, ao mesmo tempo, idêntico e diferente, o mesmo e outro. Mas o que há de idêntico, nessa similaridade entre o que se vê nesta tragédia de Ésquilo e o que se lê nesse diálogo filosófico de Platão?

Admitida a hipótese da correlação entre a noção mítica de Theoí (“Deuses”) e a noção filosófica de idéai/eíde (“idéias”/”formas inteligíveis”), aos Deuses Olímpios pertencem os diversos domínios do ser, por partilha de Zeus e por participação em Zeus; aos Deuses ctônios, filhos sombrios da Noite imortal, pertencem os diversos domínios da negação de ser e da privação de presença.

Que unidade os une? Eis o que se põe em aporética questão e assim se mostra em cena terrível e sublime, nesta tragédia.

Interpelado por Apolo em diversas circunstâncias, e em Delfos pela voz do oráculo, a Orestes é o dever filial mesmo que impõe de modo irrecusável a exe­cução da pena de morte contra a sua própria mãe.

Os caminhos a serem percorridos por Orestes nessa aporia existencial mostram o nexo necessário, múltiplo e ininterrupto entre os diversos domínios de Phoîbos Apóllon, o Deus profeta de Zeus em Delfos, e os não menos diversos domínios das sombrias e subterrâneas Erínies, Deusas filhas da Noite imortal.

 

Jaa Torrano é professor de Língua e Literatura Grega na Universidade de São Paulo. Publicou O sentido de Zeus: o mito do mundo e o modo mítico de ser no mundo (São Paulo, Iluminuras, 1996), HESÍODO: Teogonia: a origem dos Deuses (São Paulo, Iluminuras, 5ª ed., 2003), ÉSQUILO: Prometeu prisioneiro (São Paulo, Roswitha Kempf, 1985), EURÍPIDES: Medéia (São Paulo, Hucitec, 1991), EURÍPIDES: Bacas: o mito de Dioniso (id. ib. 1995).

Especificações Técnicas
Autor(a) Ésquilo
Tradutor(a) Jaa Torrano
Nº de páginas 160
ISBN 85-7321-205-50
Altura 14x21cm

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.