Movimento Total

  • Autor: Jose Gil
  • Disponibilidade: Em Estoque
  • R$ 79,00

Calcular Frete

  • Movimento Total

Disponível também em versão e-book nas lojas:

Amazon | Kobo | Play Livros | Loja Apple

     Esse livro abre novas possibilidades de reflexão sobre a dança e sua expressão. O filósofo português José Gil repensa aqui nada menos que os fundamentos ontológicos da dança: o corpo, a linguagem, o gesto, o sentido, a consciência, a comu­nicação. E o faz dialogando ricamente não apenas com o trabalho de criadores e teóricos da dança, como Rudolf Laban, Merce Cunningham, Yvone Rainer, Steve Paxton e Pina Bausch, mas também com filósofos como Merleau-Ponty, Kant, Husserl, Deleuze e Guattari.

   Não foram poucos, na modernidade, os que decidiram refletir sobre a dança, como ponto de partida para suas peças. Para ficar só em dois exemplos: movimentos cruciais, como, de um lado, o grupo ame­ricano da Judson Church e, de outro, a alemã Pina Bausch, estão se­parados tanto geográfica quanto temporalmente, mas ambos exibem grandes mudanças na maneira de se entender a dança, recolocando, cada um a seu modo, a questão do gesto e da representação.

   São movimentos que só agora estão sendo destilados; e Gil os põe em foco, passando ainda por Cunningham e pelo pós-modernismo: “Em Cunningham a consciência do corpo governa a cons­ciência”. Mas que isso não seja mal entendido: “o sen­tido da dança é o próprio ato de dançar. [...] O gesto tende a encarnar o sentido. É o movimento do sentido que agora vemos no corpo do bailarino. Porque a dança cria um plano de imanência, o sentido desposa imedia­tamente o movimento”.

   A consciência do corpo porta a comunicação incons­ciente do movimento. Neste sentido, com linguagem caracteristicamente rigorosa e sugestiva, Gil aborda a relação do corpo proposta por Steve Paxton (na técnica de contato improvisação) como uma comunicação de inconscientes: “é o corpo que estabelece a mediação entre o pensa­mento e o mundo”.

   Para Gil, enquanto Cunningham procura libertar a dança de certos espartilhos, Yvone Reiner e Steve Paxton queriam libertar os corpos, quebrando todas as normas. E é um tal questionamento que nos dá instrumentos para ver a dança hoje.

   Já o descrédito da re­presen­tação e a insistência na presença do bailarino são legados de Bausch. Para ela, uma palavra vem rodeada de emoções não definidas, de tecidos esfiapados de afetos, de esboços de movimentos corporais, de vibrações mu­das. Forma-se uma atmosfera não verbal, que rodeia toda a linguagem.

   Em todos esses casos, é a dança que “articula o sentido e o não sentido”, que nos faz compreender o “real” e o “irreal”. A dança é o “ato puro das metamorfoses”, ou o “devir puro da vida”. Cabe a Gil, então, tecer essa trama da pós-modernidade na dança, em suas complexas e ins­piradoras relações de sen­tido. E a dança, então, res­surge como potência fun­damental, no reino da acidental contingência: “Dançar é criar imanência graças ao movimento. Dançar é fluir na imanência”.

Inês Bogéa

Especificações Técnicas
Autor(a) José Gil
Tradutor(a) Miguel Serras Pereira
Nº de páginas 208
ISBN 85-7321-209-8
Largura 14 cm
Altura 21 cm

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.