Dialeto dos fragmentos, O

  • R$ 79,00

Calcular Frete

  • Dialeto dos fragmentos, O

Disponível também em versão e-book nas lojas:

Amazon | Kobo | Play Livros | Loja Apple


Pré-venda exclusiva com 40% de desconto, envios a partir de 30/07/2021


Friedrich é um homem profundo, frequentemente ensimesmado, um grande homem em seu interior, mas que parece exteriormente um tolo.

Caroline Schlegel-Schelling

 

Muitas vezes Friedrich Schlegel permaneceu incompreensível, mesmo para seus amigos.

Walter Benjamin

 

O fragmento como forma de expressão filosófica é uma descoberta de dois românticos alemães, ambos chamados Friedrich. Um deles, Friedrich von Hardenberg, mais conhecido como Novalis, cultivou esse gênero de uma maneira ao mesmo tempo mais sóbria e mística, mais poética e reflexiva. Concebia os seus fragmentos como “sementes literárias”, como “grãos de pólen”, que deveriam ser acolhidos e estudados como “textos para pensar”. Embora esse caráter seminal também seja decisivo em Friedrich Schlegel (o outro Friedrich romântico a lançar mão do novo gênero), este utilizou o fragmento de uma maneira mais prosaica, concebendo-o não somente como “fermento” da reflexão, mas também como instrumento da crítica e da polêmica. O fragmento é, para ele, a forma genuína da filosofia crítica, que não pode aceitar e deve estar sempre pronta para combater a letargia de qualquer pensamento que se apresente como um sistema acabado, pois a filosofia só existe como um sistema em vias de realização, como um sistema de fragmentos”.

Este volume da Biblioteca Pólen traz a tradução para o português de todos os fragmentos publicados em vida por Friedrich Schlegel. Eles foram editados em três coletâneas: Fragmentos Críticos (ou Fragmentos do Lyceum), Fragmentos do Athenäum (que, na verdade, são uma obra coletiva, pois também contêm fragmentos de Novalis, Schleiermacher e August Wilhelm Schlegel) e Ideias. O volume traz ainda, em notas, inúmeros fragmentos dos Anos de Aprendizado Filosófico, cadernos de estudos e reflexões em que Schlegel trabalhou por mais de vinte anos (1794–1818), e também fragmentos extraídos dos cadernos sobre Poesia e Literatura (1796-1823). Como apêndice, o volume traz uma “crítica dos fragmentos em fragmentos” - que são os comentários críticos de Novalis aos fragmentos, espécimes da reflexão potenciada ou “reflexão da reflexão” inventada e cultivada pelos românticos. 

Especificações Técnicas
Autor(a) Friedrich Schlegel
Tradutor(a) Márcio Suzuki
Nº de páginas 256
ISBN 978-6-5519-103-5
Formato 14x21 cm

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.